Como grandes players gerenciam o tráfego?

Você já se perguntou como os grandes players gerenciam seu tráfego nos produtos perpétuos? Hoje, através desse conteúdo, eu vou lhe contar abertamente, sem segredos ou truques, como eu e grandes players fazemos o nosso gerenciamento de tráfego. Passando desde as coisas mais simples, para quem está iniciando, até as mais avançadas para quem já tem certa experiência no mercado. Para que fique claro, para mim, grandes players são os profissionais que investem, ao menos, R$1 mil reais por dia. Ou seja, cerca de R$30 mil reais por mês.

gerenciamento de tráfego

Sem tempo de ler? Ouça o podcast!

Tráfego é Poder

Antes de falarmos sobre as técnicas é muito importante falar sobre o poder do tráfego. Com certeza, você já ouviu de muitos profissionais que o tráfego é essencial dentro dos projetos de marketing digital. Eu, particularmente, trabalho com tráfego desde 2011, inclusive, tenho uma empresa, a Blueberry, nesse segmento. Meu primeiro contato com o tráfego foi em um mastermind. Ao qual, até hoje, eu guardo frases importantes que foram ditas na ocasião. Foi lá, por exemplo que eu ouvi: “Tráfego é poder”, “Os grandes estudam e investem muito em tráfego”, Tráfego é um segredo do sucesso dos meus negócios na internet”.

Foram essas frases, e outras, que me despertaram para a importância do tráfego e me fizeram ter a meta de estudar cada vez mais esse assunto. Se você não está estudando tráfego e quer trabalhar com vendas online, sinto em lhe dizer, mas existe um grande erro aí, que pode custar seu sucesso.

Pode acreditar no que lhe digo. Em março de 2017, eu bati um recorde de investimento, chegando a R$1.000.056,00 reais só em Google Ads, o antigo Adwords, em um mês. As pessoas investem esse valor só em Google, porque traz resultados positivos. Porque você acha que o Conversão Extrema tem parceria com o Google? Simplesmente pelo mesmo motivo. Resultado!

Lembre-se: Tráfego é poder.

Vou lhe contar uma estratégia que eu utilizo e que prova bastante isso que acabei de lhe dizer. Quando vou investir em um produto, que tenho que falar com uma grande fonte de tráfego, Google, Facebook, Taboola, entre outros, eu busco me diferenciar no primeiro contato. Então, ao contrário de enviar um e-mail dizendo que quero investir o mínimo possível. Eu envio uma mensagem dizendo que desejo investir a quantia de R$100 mil reais, por exemplo. Em 15 minutos eu recebo uma ligação. Porque quem está lá, do outro lado, recebe milhares de mensagens todos os dias de profissionais que querem investir o mínimo possível.

Muitos dirão que não têm todo esse valor para investir. Mas, quem disse que eu invisto R$100 mil reais logo de início? Essa é só uma estratégia. Quando o responsável me liga, perguntando se quero realmente investir esse valor, eu simplesmente reafirmo, mas digo que, porém, quero ver resultados antes. Atualmente, nós investimos em 7 fontes de tráfego diferentes!

A grande vantagem de tudo isso é que quando se tem a atenção de grandes players no seu produto, de pessoas que têm tráfego, você passa a ter acesso a informações privilegiadas, que o mercado não tem. Eu tenho informações privilegiadas do Google, Facebook, Taboola. Porque eu digo que tenho R$100 mil reais. É claro que antes de chegar a esse montante, eu irei investir o mínimo, para testar se essa fonte de tráfego irá me trazer os resultados prometidos. Não se considere pequeno, não trate o seu negócio como micro. Isso vai lhe limitar e impactar negativamente os seus resultados.

3 Fatores que Você Precisa Entender Antes de Investir em Tráfego

Vamos aos 3 fatores imprescindíveis para você que deseja investir em tráfego em um futuro próximo:

1. CPLP

CPLP é um conceito muito importante, de verdade. Trata-se da representação em sigla do tráfego de curto e de longo prazo. Quando você investe nesse segmento é imprescindível entender o que é tráfego de curto e de longo prazo. O tráfego de curto prazo é aquele em que você investe e ele compra ou não o seu produto. Simples e rápido assim!

Por exemplo:

  • Google Ads
  • Youtube Ads
  • Facebook Ads
  • Bing Ads
  • Uol Cliques
  • Taboola
  • Linkedin Ads
  • Twitter Ads
  • Outbrain
  • Entre outros.

O de longo prazo é aquele que você vai investir agora e, provavelmente, não vai ter retorno imediato. Por exemplo:

  • Artigos
  • Vídeos
  • E-books
  • Slides
  • Palestras
  • Redes Sociais
  • E-mails
  • Infográficos
  • Entre outros.

Estou dizendo tudo isso, porque tem gente que investe só no pago. E está errado. Afinal, você não está construindo o seu orgânico de maneira sólida. Isso é prejudicial para o seu negócio. E não sou eu quem está afirmando. Na verdade, são os dados do Google. Se uma empresa não tem 50% de tráfego pago ou orgânico, ela está indo pelo caminho errado. Isso porque, se ela depende só do pago, acaba ficando refém da plataforma e se coloca em risco.

Por exemplo, se a empresa depender só do Facebook e sem aviso, a plataforma deixa de existir. O que acontecerá com esse negócio? O inverso também está errado. Você não deve se garantir apenas com o tráfego de longo prazo, porque estará perdendo a oportunidade de faturar agora. Então, minha sugestão é que você crie uma estratégia de curto e longo prazo, a conhecida CPLP. Outro ponto muito importante que você deve conhecer são os tipos de tráfego. São eles:

  • Tráfego Orgânico: É aquele captado via pesquisas do usuário. Por exemplo, quando se busca no Google pela palavra-chave “Curso de Google Adwords” e aparece o Conversão Extrema.
  • Tráfego Pago: É aquele captado através das plataformas de links patrocinados, como o Facebook Ads, Taboola.
  • Tráfego Direto: É quando o usuário entra diretamente no seu site. Já conhece o endereço e não faz pesquisa antes, digitar a url diretamente na barra, por exemplo. Geralmente, o tráfego direto é captado através do Branding.
  • Tráfego de Referência: Bastante importante para quem faz SEO, o tráfego de referência é aquele captado através de uma indicação de autoridade. Alguém de grande nome indica para a audiência dele o seu site, por exemplo.
  • Tráfego Social: É o tráfego proveniente das redes sociais.

2. Conexão

Para mim, tráfego tem um objetivo final. Que é o mesmo de toda página na internet. Isso quer dizer, vender. Seja produto ou publicidade. O objetivo do Facebook, do blog simples que você conhece, do Whinderson Nunes é o mesmo. Vender, vender e vender. Todo mundo na internet está vendendo, seja espaço publicitário, serviços, produtos…

O problema nisso é que quase ninguém consegue sair vendendo de primeira. Tanto que dados de pesquisas apontam que mais de 98% das pessoas não compram no primeiro contato com a marca ou item de desejo. O mais correto a se fazer quando isso ocorre é buscar a conexão. Isso mesmo, se conectar com o seu tráfego. Porque no segundo momento, ele vai acabar consumindo, concretizando a compra. A linha de conexão direta também reduz custos, pois você consegue os dados de contatos e pode trabalhar com potenciais clientes que já demonstraram interesse no que seu negócio tem a oferecer.

É mais fácil vender para um tráfego que você já teve um primeiro contato. Pois a linha de conexão não direta aumenta os custos, afinal é necessário recomeçar o processo de captação do potencial cliente diversas vezes. O CPC (Custo por Conexão) 2.0 é o futuro! Para gerar essa conexão, eu trabalho com três níveis. Confira:

  • Conexão Nível A – Alto nível de interesse: Os leads desse grupo são aqueles que deixam e-mail, pega uma notificação no navegador ou no Facebook, deixa o contato do WhatsApp, entre outros dados de contato.
  • Conexão Nível B – Médio Nível de Interesse: Aqui, os leads são aqueles que são fãs no Facebook, participa de um grupo, é assinante do podcasts, inscrito no Youtube, seguidor no Twitter, Instagram, Linkedin, SnapChat ou, ainda, foi captado pelo remarketing inteligente/meta.
  • Conexão Nível C – Baixo Nível de Interesse: Captados pelo remarketing, RSS do blog.

Eu faço essa divisão porque preciso saber quais são os leads mais quentes, que preciso trabalhar primeiro e, claro, quais são os seus perfis, as suas demandas. Assim, a estratégia se torna mais adequada para cada um dos grupos. No entanto, você pode perceber que todo o tráfego é conectado. Todo mundo que entra em contato com o meu negócio, independente do canal, é alvo de uma estratégia de conexão. Querendo ou não, deixando o e-mail ou não. Ele vai ser conectado.

Em um segundo momento, depois de ser classificado em um dos grupos, eu vou trabalhar uma estratégia adequada para tentar converter. Então, por exemplo:

  • Imagine que um usuário entrou na página do meu e-book.
  • Então como primeira fase, eu o conectei pelo remarketing.
  • Se ele deixar o e-mail, eu gero a conexão via esse canal, mandando uma mensagem, sugerindo, por exemplo, que ele se inscreva no meu canal no Youtube.

E, assim, vou me conectando e me aproximando cada vez mais. Uma simples visita de um usuário em uma página pode chegar a uma conexão de 5 níveis. Conexão RM, Conexão E-mail, Conexão Youtube, Conexão FB Responder e Conexão Remarketing Lead. Isso, em resultados palpáveis, significa que meu tráfego vai ficar mais barato!

3. Relacionamento

É importante deixar claro que eu não sou contra o marketing de conteúdo, como muita gente acredita. De fato, eu acredito que não seria interessante começar do zero com marketing de conteúdo. Começaria pelo pago. Minha filosofia é: “Crie uma página e teste com tráfego pago, se ele converter, perfeito. Invista. Se não converter, ajuste com copy, video, conteúdo”.

Quando o seu tráfego converte, mesmo frio, isso significa que você descobriu a página/oferta perfeita. E, o que você precisa fazer diante disso é enviar mais tráfego. E, assim, começar a escalar o seu produto. Pode ser surpresa para muitos, mas em minha estratégia de relacionamento eu invisto em marketing de conteúdo. Faço:

  • Artigos
  • Vídeos
  • Podcasts/Áudios
  • Livros
  • Infográficos
  • Palestras
  • Redes Sociais
  • Slides
  • Eventos
  • Webnários/Lives
  • E-mails

Esses são os 3 fatores que você precisa entender, antes de investir em tráfego. Mas, não acaba por aqui. A gente ainda precisa conversar sobre como eu gerencio meu tráfego.

Afinal, como eu gerencio meu tráfego?

Você já conhece perfeitamente os 3 fatores essenciais do tráfego, CPLP, conexão e relacionamento. Agora, de forma resumida, até porque é impossível mostrar tudo, eu vou lhe revelar algumas ferramentas que utilizo no gerenciamento do meu tráfego, dia após dia. Garanto a você que estou lhe oferecendo o melhor, o ouro que minerei na imensidão de conteúdo.

#1 – Processos

A primeira coisa que eu faço para gerenciar o tráfego é justamente organizar tudo em processos. Para isso, eu utilizo a ferramenta Sweet Process. Basicamente, é nessa plataforma que eu elenco todas as tarefas diárias, como o exemplo, a seguir:

  • Verifique seu e-mail com informações sobre as contas de anúncios.
  • Atualizar as métricas a planilha de tráfego do dia anterior.
  • Verifique se há alterações no investimento no Facebook/Adwords/Taboola/Outbrain, um dia antes do dia anterior.
  • Atualize as metas na planilha.
  • Análise de dados no Woopra.
  • Verifique o documento da reunião de tráfego para otimização das campanhas.

No entanto, a grande sacada aqui é que não sou eu quem executa todas essas tarefas, e sim um profissional de tráfego da minha equipe. Basicamente, a plataforma me ajuda a expor os processos que eu faço para que outra pessoa seja capaz de reproduzir, seguindo o passo-à-passo. Então, todo dia de manhã, ao chegar na empresa, esse profissional recebe em seu e-mail todos as tarefas que ele precisa executar no dia. E tem mais, quando ele termina a última tarefa, eu recebo em meu e-mail uma notificação. É dessa forma que eu consigo gerenciar 11 pessoas na Elevation e já estamos implantando o sistema também na Blueberry.

Dica extra: Para que consiga trabalhar nesse sistema de processos, eu sugiro que você os facilite e os simplifique ao máximo. Para que a pessoa menos inteligente que você conheça tenha a capacidade de reproduzir e seguir esse passo-à-passo, sem que ela te faça uma pergunta, sequer. Pode acreditar, com esse método, eu fiz o meu pai fazer SEO na agência e em outros produtos, sem saber o que é SEO. Isso significa que com os processos, você não será mais refém de um único profissional, pois poderá contratar qualquer pessoa.

#2 – Copy

Quando você anuncia em vários portais de tráfego, como o Taboola, Facebook e outros, é muito difícil controlar a copy. Confesso que eu gerencio meu tráfego sem entrar nas ferramentas. Eu simplesmente deixo o meu profissional de tráfego trabalhar com as copys que criei, com auxílio de uma fórmula automática criada no Excel.

Ela me mostra:

  • Se a headline é única ou não.
  • Se está aprovado por mim ou não.
  • Se respeita o limite de caracteres de cada plataforma.
  • Se está ativo.
  • E a performance.

Claro que depois de tudo, eu ainda verifico tudo e vou aprovando ou modificando. A copy é realmente importante, por isso é imprescindível tomar cuidado com essa etapa. Se possível, se dedique em criá-las. Pare uma tarde e gere todas e depois deixe o seu profissional de tráfego trabalhá-las pelos próximos 3-6 meses. Lhe informando o que funciona e o que não funciona.

#3 – Word Mapping

Eu costumo falar bastante sobre essa ferramenta, inclusive, quem é meu aluno no Conversão Extrema sabe disso. Eu uso demais o Word Mapping no meu dia a dia, porque é nessa ferramenta que ficam guardadas informações muito valiosas sobre o meu público, sobre termos e frases interessantes para usar nas minhas copys, entre outros dados. Ali, eu e minha equipe, criamos um documento, uma espécie de planilha, que alimentamos, com frequência. Nele, há colunas, como por exemplo:

  • Objeções: Às principais objeções demonstradas pelos nossos clientes e potenciais clientes.
  • Frases: Ideias de frases e construções que podem ser interessantes de serem aplicadas nas copys.
  • Emoções Boas: As emoções positivas expressadas pelos clientes e público em geral.
  • Emoções Ruins: As emoções negativas expressadas pelos clientes e público em geral.
  • Vocabulários: Palavras legais que geram impactos relevantes no público alvo.

O melhor é que tudo isso é baseado no que o meu público está dizendo, nos e-mails, nas redes sociais, no atendimento, no suporte, enfim…

#4 – Análise Rápida de Investimento

Lá no processo, que conversamos há pouco, o profissional chega todo dia e preenche cada etapa. Entre elas, ele também alimenta uma planilha de dados sobre cada plataforma, como o Google, o Face Ads, entre outras, com:

  • Data
  • Investimento diário
  • Cliques
  • Impressões
  • Conversões
  • CPC
  • CTR
  • CPA
  • ROI (Boletos)
  • ROI (Pagos)

Aqui vai a dica de ouro! Essas informações vão para uma plataforma de análise de dados. Ela se chama Syfe. Como não posso gastar tempo com o operacional, eu preciso, em 5 minutos, saber tudo o que está acontecendo na minha empresa. Faturamento, lucro, quanto foi investido em tráfego no produto X ou Y. Então, todo dia, eu chego de manhã na empresa, sento e abro o Syfe. E, assim, eu analiso cada um dos tópicos:

  • Financeiro
  • Telemarketing
  • Tráfego (Investimento)
  • Entre outros.

Dessa análise rápida, eu consigo ter uma visão panorâmica para tomar decisões mais assertivas, como, por exemplo, entender se estou investindo o necessário para conquistar os nossos objetivos.

#5 – Todo Lead É Importante

Nós já falamos sobre isso lá no início, mas preciso reforçar algumas coisas. Para mim, hoje, lead não é só e-mail. Particularmente, lead na minha empresa é nome, e-mail e WhatsApp. Por exemplo, eu não peço telefone, simplesmente porque o usuário pode me informar o telefone fixo e não é o mais interessante. Eu quero o celular, o WhatsApp, que atualmente é mais acessível, permite que mandamos mensagens e estabelecemos conexões de maneira mais simples e rápida.

Só que eu preciso lhe confessar algo ainda mais impressionante. O que mudou meu resultado esse ano, por mais incrível que pareça, foi o telemarketing! E isso só nos mostra o quanto todo lead é importante. Quando você investe pouco em tráfego, R$1 mil reais faz falta. Se você tem 100 leads, aproveite cada um deles. Se ele não pagou o boleto, manda e-mail, mensagem no whats. Não retornou? Liga! Todo Lead importa. Faça o teste.

#6 – Trackeamento Avançado

Eu utilizo bastante nas minhas campanhas. Quando você anuncia na internet, é normal que as plataformas apresentem divergências no número de vendas. Por exemplo, o relatório do Facebook diz que você fez 8 vendas, enquanto a Eduzz e a Hotmart dizem que há, apenas, 2. Será que o Facebook está nos roubando? Infelizmente, essa pergunta eu não posso responder, mas posso lhe ajudar a chegar à uma resposta confiável. É que eu já passei por isso várias vezes e para solucionar esse problema, resolvi implantar o Trackeamento avançado.

Eu trackeio meu tráfego de 4 formas, para saber exatamente de onde vem o meu lead. A primeira ferramenta que eu utilizo é o Woopra. Trata-se de uma plataforma de Trackeamento avançada, que me diz todos os detalhes do meu cliente. Entre os dados, estão:

  • Quantidade de pessoas que entraram na página.
  • Quantidade de pessoas que se tornaram lead.
  • Que se tornaram clientes, além de dados do canal que foi feita a conversão.

Mas, o mais incrível ainda não lhe contei, se eu clicar, por exemplo, nos leads, a ferramenta me oferece um relatório com dados muito detalhados, como:

  • O sistema operacional utilizado pelo Lead.
  • A cidade ao qual ele se localiza.
  • Qual dispositivo ele usou para se conectar.
  • A resolução do monitor.
  • A definição do idioma no dispositivo.
  • O IP
  • Todo o caminho que cada lead fez para chegar até a conversão.

Outra forma de realizar o Trackeamento que eu utilizo é através da ferramenta de e-mail marketing. A infusion. Todo mundo que entra na minha lista, eu sei de onde veio. Basta aplicar um funil simples e bater os dados. A terceira forma de trackear é através da própria plataforma de tráfego, como o Google Ads, analisando os relatórios. E, claro, o quarto, como não poderia faltar, o Analytics. Mesmo sendo o SEO da empresa, eu sempre estou de olho no meu tráfego, afinal, ele é MUITO importante.

Antes de encerrarmos esse conteúdo, eu quero lhe deixar uma mensagem, algo para que você reflita: Saiba que se você não tem metas difíceis, não está se desafiando o suficiente! A minha dica é: Encontre pessoas para bater essas metas com você, as motive para isso. Você não vai longe, se pensar só em você. Se não tiver uma equipe do seu lado.

Assista ao vídeo sobre Como Grandes Players Gerenciam o Tráfego

Aproveite para se inscrever em meu canal do YouTube e receber mais dicas sobre marketing.

Acesse: Canal do YouTube

Ouça o Podcast!

Baixe meus podcasts em sua plataforma favorita.

Acesse: Podcast

Baixe os Slides

Baixe os Slides

Espero que tenha aproveitado ao máximo esse conteúdo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Aprenda a anunciar no Google com Orçamento Baixo

Ebook + Aula Completa Inclusa. Baixe Agora. É Grátis.

JUNTE-SE A MAIS DE 50.000 PESSOAS

Entre para nossa lista e receba
conteúdos exclusivos e com prioridade

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Aprenda mais sobre Marketing Digital no Instagram Me siga →